AA tenta buscar esmagadora de soja para o Distrito Industrial 2

Governo municipal trabalha para implantar fábrica esmagadora de soja em Uberaba. A viabilidade do empreendimento levou o prefeito Anderson Adauto (sem partido) a se reunir com o diretor de Agronegócios do Instituto de Desenvolvimento Industrial de Minas Gerais (Indi), Maurício Cecílio. A discussão também contou com o empresário da CS Agronegócio Rogério Cerqueira, que já possui um armazém de grão no município e está na linha de frente do negócio.

A unidade, que poderá ser instalada no Distrito Industrial 2 (DI-2), pode gerar investimentos da ordem de R$270 milhões. Somente para construção da fábrica poderão ser destinados R$70 milhões.

Segundo o prefeito, a audiência junto ao órgão estadual teve como objetivo buscar apoio para confirmar o empreendimento, que vem sendo disputado também por Goiás. "Apresentamos uma proposta de que sejam concedidos ao grupo investidor os mesmos incentivos dados à Inpa, quando de sua instalação em Uberaba, e disputávamos o investimento com outros dois Estados", explica. Ele também destaca que o assunto também será levado à comissão de transição, já que a empresa pleiteia a concessão de área no DI-2.

O prefeito Anderson Adauto revelou que o diretor do Indi garantiu que Minas dará os mesmos incentivos fiscais hoje oferecidos pelo Estado de Goiás. Segundo Anderson Adauto, a unidade proposta tem a capacidade de esmagamento de 1,5 mil toneladas por dia.

De acordo com AA, o município vem buscando, há muitos anos, a instalação de uma indústria esmagadora de soja. Esta fábrica, segundo ele, pode beneficiar não só a produção local, como também atender a toda a região, lembrando ainda que a cidade é a segunda colocada em produção de soja em Minas Gerais, produzindo 270 mil toneladas/ano. "A indústria poderá agregar valor ao produto primário, gerando emprego e renda no meio rural", avalia o prefeito, colocando ainda o investimento como estratégico para o município.

Também participaram da reunião o gerente de Agronegócios e o assessor técnico do Indi, Rubens Amaral de Brito e Marcelo Miranda, respectivamente; o gerente financeiro da CS Agronegócio, João Eduardo; o consultor do projeto, Etori Baroni, e o empresário uberabense Oscar Lacerda.

Fonte: Jornal da Manhã


Voltar